Jesse Owens - o tufão americano em Berlim - Portal Geledés

Jesse Owens - o tufão americano em Berlim

 

Por: José de Oliveira Ramos

 

James Cleveland Owens, Jesse Owens, nasceu em Lawrence County, Alabama, no Oakville, filho de Henry e Emma Owens. Quando Jesse Owens tinha nove anos, seu pai mudou-se para o Glenville seção de Cleveland, Ohio. Jesse Owens foi chamado por um professor em Cleveland, que não compreendeu quando o rapaz disse que era chamado de JC.

A vida no gueto não foi boa para a família. Jesse havia exercido diferentes funções no trabalho no seu tempo livre: entregava compras, carregava mercadorias, automóvel e até trabalhou numa oficina de consertar sapatos. Durante este período Owens percebeu que tinha uma paixão pela corrida.

Ao longo de sua vida Owens atribuía o sucesso de sua carreira esportiva ao incentivo recebido de Carlos Riley, e o treinador Fairview Junior High, que o tinham colocado na pista. Desde então, Owens trabalhava numa oficina de consertar sapatos depois que saía da escola. Foi Riley quem lhe deu oportunidade antes das aulas práticas.

Owens primeiro chamou a atenção nacional quando estudava em East Technical High School, em Cleveland, e igualou o recorde mundial de 9,4 segundos, nos 100 metros e saltou 7,56 m em 1933, no campeonato nacional, representando a High School, em Chicago.

Ohio State - Owens só aceitou a transferência para a Ohio State University depois que teve emprego garantido para o pai, assegurando que a família poderia ser apoiada. Ele era carinhosamente conhecido como o "Buckeye Bullet" e ganhou destaque individual na imprensa pelos oito campeonatos disputados pela NCAA, quatro em cada ano: 1935 e 1936.

O recorde de quatro medalhas de ouro só fora batido antes por Xavier Carter em 2006, embora seu título tenha incluído, também, retransmissão de medalhas. No entanto, enquanto Owens desfrutava sucesso como atleta, teve de viver fora do campus com outros afro-americanos. Enquanto Xavier Carter viajava com a equipe, Owens podia realizar qualquer coisa e até comer no "black-only" restaurante. Da mesma forma, Jesse podia dormir nos "black-only" hotéis. Apesar disso, Owens nunca recebeu uma bolsa de estudos, de forma que continuou a trabalhar em tempo parcial para pagar a escola.

A maior conquista de Jesse Owens veio num espaço de 45 minutos, em 25 de maio de 1935, quando o Big Ten esteve em Ann Arbor, Michigan, onde bateu três recordes mundiais, além de ter deixado amarrado um quarto. Ele igualou o recorde mundial nos 100 metros em 9,4 segundos e estabeleceu também recordes mundiais no salto, fazendo 8,13 m, que permaneceu por 25 anos; 220 metros com barreiras em 20,7 segundos; e os 220 metros com baixas barreiras em 22,6 segundos, para se tornar a primeira pessoa a marcar abaixo de 23 segundos.

De fato, em 2005, o locutor Bob Costas da University of Central Florida, e o professor de história esportiva, Richard C. Crépeau escolheram esta marca como a mais impressionante realizada desde 1850.

JP23577_144717_A

Olimpíadas de Berlim - Em 1936, Jesse Owens concorreu pelos Estados Unidos nos Jogos Olímpicos. Adolf Hitler, ditador alemão pretendia usar os Jogos para mostrar ao mundo o ressurgimento da Alemanha nazista. Ele e outros funcionários do governo alemão tinham grandes esperanças nos atletas que, segundo eles, iriam dominar os Jogos com vitórias. Entretanto, a propaganda nazista havia promovido novos conceitos de uma "superioridade racial ariana" tratando os atletas étnicos africanos como inferiores.

Owens surpreendeu a muitos por ganhar quatro medalhas de ouro: em 3 de agosto de 1936 venceu o 100m; em 4 de agosto, o salto longo do concorrente alemão Luz Long; no dia 5 de agosto, venceu os 200m, e que depois foi adicionado aos 4 x 100 m com Revezamento.

Pouco antes das competições, Jesse Owens recebeu visita na sede dos Jogos do fundador das Adidas, Adi Dassler, que tinha trazido uma mala cheia de espigões. Ele convenceu Owens a usá-los e assim foi o primeiro patrocínio para um atleta, feito por um afro-americano.

No primeiro dia, Hitler apertou as mãos apenas dos alemães vencedores e, em seguida, deixou o estádio. Depois Hitler insistiu em cumprimentar todos, medalhista ou não. Existem relatos que dão conta de que Hitler havia, deliberadamente, evitado apertar a mão de Jesse Owens, apesar de reconhecer a vitória do atleta.

Segundo Jesse Owens: "Hitler não me provocou, mas garantiu que quem deveria me parabenizar era FDR. Mas o presidente sequer me enviou um telegrama."

Owens nunca foi convidado para visitar a Casa Branca, nem recebeu qualquer menção honrosa dos presidentes Franklin D. Roosevelt (FDR) ou Harry S. Truman durante os seus mandatos. Em 1955, o Presidente Dwight D. Eisenhower reconheceu as conquistas de Owens, nomeando-o "Embaixador do Esporte".

Owens foi aplaudido entusiasticamente por 110.000 pessoas presentes no Estádio Olímpico de Berlim que, mais tarde procuraram o seu autógrafo quando viram-no na rua. Owens foi autorizado a viajar e teve estadia em hotéis como brancos, uma ironia naquela altura, ou um privilégio que negros nos Estados Unidos tiveram negado.

Após Olimpíadas - Terminados os Jogos, Owens foi convidado juntamente com os demais membros da delegação americana para competir na Suécia. No entanto Jesse decidiu capitalizar o sucesso obtido e resolveu regressar aos Estados Unidos e aceitar algumas propostas comerciais lucrativas que estava recebendo.

Como não entendia nada de marketing, Jesse acabou indo a falência, mas, mesmo assim, os seus problemas não eram mais aqueles de 1966 e acabou sendo processado por evasão fiscal.

O trabalho árduo permitiu a recuperação de Owens que começou como um "E.U. goodwill embaixador ". Owens viajou o mundo e falou com empresas como a Ford Motor Company e Comitê Olímpico dos Estados Unidos. Depois que se aposentou, ocupou-se apenas com corridas de cavalos.

Jesse Owens fumou durante 35 anos e morreu de câncer de pulmão aos 66 anos em Tucson, Arizona, em 1980. Ele está enterrado no Cemitério de Oak Woods, em Chicago.

Vida pessoal e familiar - Jesse Owens conheceu Minnie Ruth Salomão em Fairmount Junior High School, em Cleveland, quando ele tinha 15 anos e ela 13. Ruth deu à luz a sua primeira filha, Glória, em 1932. Os dois resolveram casar em 1935 e tiveram mais duas filhas: Marlene, nascida em 1937, e Beverly, nascida em 1940.

Prêmios - Jesse Owens recebeu várias homenagens, nos anos seguintes à sua morte. Em 1984 uma rua perto do Estádio Olímpico de Berlim foi renomeada Jesse Owens-Allee, e os Realschule Jesse Owens/Oberschule (uma escola secundária) em Berlim-Lichtenberg, foi batizada por ele.

Nos EUA foram emitidos dois selos postais para homenagear Owens. Um em 1990, e o outro em 1998. Além disso, em Phoenix, Arizona, há o Jesse Owens Medical Plaza, nomeado em sua homenagem, que está localizado na esquina sudeste de Baseline Rd. Parkway e Jesse Owens (outro homônimo). Além disso, em Ohio State University, a pista e campo do estádio tem o nome de Jesse Owens Memorial Stadium, juntamente com dois centros de lazer para os estudantes e para o os funcionários.

Existe também o Jesse Owens Parque Memorial Oakville, Alabama, inaugurado em 1996. Um artigo do Wall Street Journal, 7 de junho de 1996, cobriu o evento e incluiu esta inscrição de um trecho do poema de Charles Ghigna em uma placa em bronze:

Que sua luz brilhe eternamente como um símbolo para todos os que dirigem para a liberdade do desporto, para o espírito da humanidade, para a memória de Jesse Owens.

 

Fonte: Jornal pequeno

04/02/2011Portal Geledés