"Mate o Mc DaLeste": O perigo da intolerância cultural - Portal Geledés

"Mate o Mc DaLeste": O perigo da intolerância cultural

 

Game permite assassinar o funkeiro. “Comemorar a morte de uma pessoa só porque você não gosta do estilo de música é osso, hein?". Por Joseh Silva

mc daleste

“Jogo bom, merece ganhar o jogo no ano 2013”; “Sacanagem não terem criado ainda outros níveis com outros funkeiros”; “FUNKEIRO BOM É FUNKEIRO MORTO”; “Ja baixei e joguei é divertido! :D zerei 3 vezes ja! Muita alegria mata esse verme!!!!! hehehe”; “Não sou fã de funk , mas comemorar a morte de uma pessoa só porque você não gosta do estilo de música que ele faz é osso hein”; Estes são alguns dos 26.373 comentários embaixo do vídeo ilustrativo do jogo Mate o MC Daleste, que está disponível para download em alguns sites.

O jogo mostra Daleste em cima de um palco cantando a música “mata os policia é a nossa meta”. Sucesso do Mc em um tempo que o funk “proibidão” estava em evidencia na cidade de São Paulo.  O cenário mostra jovens sem camisa portando fuzis, a Regina Casé  - fazendo alusão ao programa Esquenta, o logotipo da rede Globo ao lado da bandeira do PT e do programa Bolsa Família. MC Tati Quebra Barraco também está em cena. Todos são assassinados.

O vídeo revela o reflexo de uma sociedade reacionária, que reforça mais e mais a intolerância cultural. Um jovem índio (desaldeado) não é respeitado em uma escola caso ele chegue de cocar  para assistir uma aula. O mesmo acontece com ciganos, hippies, negros, nordestinos, gays, povos tradicionais e de terreiros. Isto mostra que não somos capazes e conviver com as diferenças dentro da nossa própria espécie.

O motivo da assassinato do Daleste, Daniel Pelegrini, 20 anos, que aconteceu no último dia dia 6 de julho em uma festa junina na periferia de Campinas, ainda não foi desvendado. Assim como a morte de outros seis Mc`s que foram assassinados segue sem solução. Todos cantavam o estilo “proibidão”, que retrata o cotidiano da relação (de guerra) entre policia e crime organizado.

Os MC`s de funk fazem parte do universo da cultura periférica. Eles vêm das margens da cidade, onde o estado chega através das forças de repressão, e onde a ausência de politica pública é presente e constante. São lugares onde falta investimento, e há violações constantes de diretos humanos. Ali cresce uma geração que não enxerga sentido nas escolas mas que valoriza a tradição oral.

Assim como o Rap, o Funk nasce em um cenário periférico urbano e é utilizado como um instrumento de denúncia e também de entretenimento. No Rio de Janeiro (nas comunidades não ocupadas pelas UPPs), o funk cumpre o papel de empoderamento dos jovens. Gira a economia local, gera empregos, socializa sonhos e é um ótimo instrumento pedagógico, pois toca em assuntos e discorre sobre o mundo que muitos jovens vivem ou se identificam.

O funk vem crescendo, e um dos estilos responsáveis por isso é o ostentação. Trata-se de músicas onde os Mc`s escrevem letras sobre baladas, carrões, correntes de ouro, mulheres, mansões, aviões. Algo parecido com os clipes dos rappers norte americanos como 50Cent e Snoop Dogg. Daleste, em seus últimos sucessos, não cantava mais “proibidão”. Ele pregava, sim, a ascensão, a vida que a mídia tradicional mostra todos dias, o respeito que o dinheiro traz, que os jogadores de futebol mostram, a construção de um mundo em que a maioria dos jovens querem.

Cantar “proibidão” ou ostentação, na maioria dos casos, não é só uma questão de escolha, identidade ou bandeira, mas de sobrevivência mercadológica. A maioria dos artistas escrevem  músicas de acordo com o que o seu público gosta, independente do estilo. No funk, não é diferente, mas por ser um estilo de música de origem pobre, negra e periférica sofre com a discriminação e a intolerância cultural.

Fonte: Carta Capital

21/07/2013Portal Geledés